O pioneirismo da ESTEIO nas mais diversas atividades pertinentes à Mapeamento, Fotogrametria e Cadastro Rural e o aprimoramento constante de processos produtivos, permitiram que a empresa se firmasse no mercado de Engenharia e que fosse gradativamente aumentando a sua participação na história da Cartografia brasileira.
Desde sua elevação à categoria “A” (EMFA) das empresas de Aerolevantamento no Brasil até aos seus últimos investimentos na área do Mapeamento Digital, a ESTEIO sempre esteve muito próxima dos grandes avanços tecnológicos nestes mais de 40 anos de existência.
Visite os links relacionados aos anos onde ocorreram eventos significativos para evolução de procedimentos e emprego de tecnologia avançada e confirme a decisão firme da ESTEIO em investir sempre no melhor para servir aos seus clientes.

HISTÓRICO DA ESTEIO

2016

Câmara Multiespectral

Derivada da Leica RCD30, a primeira câmara multiespectral de médio formato no mundo, a Leica RCD30 Oblíqua tem características fotogramétricas, oferecendo além de imagens com qualidade superior e de alta precisão com grande flexibilidade.
A Leica RCD30 Oblíqua permite o uso simultâneo de três ou cinco câmaras para aplicações de mapeamento urbano ou de corredores. Os clientes podem escolher entre os sensores CH61, produzindo apenas imagens RGB, e o CH62, produzindo imagens multiespectrais RGBN.
De forma a garantir qualidade máxima das imagens, a RCD30 Oblíqua oferece compensação de arraste multi direcional.
A ESTEIO utilizou o sensor HxGN Leica RCD30 Penta para realização de cobertura aérea no parque da Vila Olímpica no Rio de Janeiro, sede das Olimpíadas de 2016. O voo abrange uma área de pouco mais de 16 km2 num total de 850 fotos verticais e 3.400 inclinadas com tamanho de pixel no terreno (GSD) de 5 cm e 2,3 -3,5 cm respectivamente. As imagens são excepcionais e mostram a grandeza deste empreendimento.

2015

Versatile Time Domain Electro Magnetic

Dentro deste interesse de diversificação do mercado de atuação da empresa, em 2015, a ESTEIO assinou um UNINCORPORATED JOINT VENTURE AGREEMENT com a empresa GEOTECH Aerolevantamento S.A. com o propósito de reunir esforços para angariar serviços de levantamentos aerogeofísicos.
A aerogeofísica é atualmente fundamentals para a pesquisa mineral, pois permitem identificar zonas potencialmente portadoras de concentrações de minerais de interesse econômico existentes em subsuperfície.
A ESTEIO utiliza o equipamento sistema geofísico da Geotech Ltd. denominado Versatile Time-Domain Electromagnetic (VTEM).
O sistema VTEM plus (Versatile Time Domain Electro Magnetic) é o sistema electromagnético aerotransportado mais inovador e bem-sucedido dos últimos 30 anos. O projeto proprietário do receptor usando as vantagens de eletrônica digital e processamento de sinal oferece baixos níveis de ruído.
As características principais incluem:

O levantamento é feito com um helicóptero Esquilo AS350B3 (ou equivalente). Este helicóptero tem a autonomia necessária de voo para operar de forma eficiente este tipo de levantamento.
A velocidade normal do helicóptero será de 80 km/h, mas pode variar em áreas de relevo acidentado. Com uma taxa de registro de dados de 0,1 ponto por segundo, as medições geofísicas são adquiridos aproximadamente a cada 2 metros ao longo da linha de voo.

2014

Sistemas de Mapeamento Móvel (SMM)

A tecnologia tem várias denominações e siglas sendo mais conhecida por LASER Terrestre Móvel (MLS – Mobile LASER Scanning) ou Sistema de Mapeamento Móvel (MMS – Mobile Mapping Systems).
Estes Sistemas de Mapeamento Móvel (SMM) permitem a coleta de informações 3D de milhares de pontos ao longo de uma via além de imagens e/ou vídeo, enquanto trafega em velocidades normais de estrada.
O SMM é uma plataforma unificada que compreende um escâner LASER, em combinação com receptor GNSS, unidade de medição inercial (Inertial Measurement Unit – IMU) e um instrumento de medição de distância (Distance Measurement Instrument – DMI).
O LASER faz uma varredura de 360° do corredor viário com alcance de até 150m, medindo 1 milhão de pontos por segundo. As câmaras imageiam também 360° ao redor do veículo com resolução de 2 Mpx com 8 frames por segundo. A qualidade horizontal e vertical é centimétrica conforme utilização de pontos de controle.
A Esteio mapeou a Avenida das Torres (Av. Comendador Franco que liga o Aeroporto de Curitiba à cidade), realizando quatro tipos de levantamentos numa extensão de 16 km – LASER Móvel, LASER Estático, LASER Aéreo e Ortofotos, em uma integração inédita no Brasil que gerou dados técnicos de extrema valia para os projetos de revitalização desta avenida.

2013

Leica ScanStation C10

Em 2013, a Esteio empregou atecnologia de LASER Terrestre para o levantamento de estações do metrô de BH visando a obtenção dos AS BUILT.
Para tal atividade, utilizou-se do equipamento o Leica ScanStation C10 com até 300m de alcance, campo de visão 360° x 270°, frequencia de 50 K pontos/seg, e versatilidade para rastreio em áreas internas e externas. O ScanStation C10 permite a poligonação, resseção ou uso de alvos para orientação da nuvem de pontos e imagens.
As nuvens de pontos e os asnbuits foram processados com software Cyclone da Leica Geosystems.

2012

Plataforma VANT (Veículo Aéreo Não Tripulado)

Em 2012 a ESTEIO e o Instituto Tecnológico SIMEPAR celebraram um Acordo de Cooperação Técnica que visualiza a atuação conjunta das empresas no mercado de mapeamento e monitoramento com a utilização de plataforma VANT (Veículo Aéreo Não Tripulado) ou como conhecida internacionalmente UAS (Unmanned Aerial Systems).
Atualmente, os VANTs e a Fotogrametria de baixa altitude se revelam como um conjunto de técnicas de coleta e tratamento de imagem que abrem novas oportunidades para os usuários de imagens aéreas por propiciar uma aquisição mais rápida e direta em áreas específicas e de menor dimensão onde um aerolevantamento tradicional não é a solução mais apropriada.
A combinação e integração das habilidades e experiências da empresa ESTEIO em Aerolevantamentos SAE (Serviços Aéreos Especializados), Sensores Aerotransportados, Fotogrametria e do instituto SIMEPAR em sistemas VANT para Monitoramento Ambiental, resultam em um diferencial competitivo de extremo significado e importância em relação à exploração deste segmento cartográfico em expansão no Brasil e no mundo.
“A ESTEIO e o SIMEPAR sempre investiram esforços e recursos significativos no desenvolvimento de sua tecnologia e experiência próprias em Cartografia e Levantamentos Especiais, e agora desejam combinar suas capacidades técnicas únicas, vis ando aumentar suas possibilidades competitivas com o compromisso constante de oferecer produtos cartográficos confiáveis e diferenciados para usuários e clientes desejosos de qualidade seja qual for a plataforma utilizada.”, é o que proclamam Amauri Brandalize, Diretor Técnico da empresa ESTEIO S.A. e Eduardo Alvim Leite, Diretor Superintendente do Instituto SIMEPAR.

2010

Câmara Aérea (RCD-105)

Em 2010, a ESTEIO, mais uma vez de forma pioneira, introduziu no mercado brasileiro a Câmara aérea RCD-105, produzida pela Leica Geosystems. A opção por esta câmara aérea de médio formato se deve às inúmeras vantagens que, a partir de agora, estamos oferecendo aos nossos clientes. Essa câmara tem um CCD de 39 megapixels − um frame de 7.162 x 5.416 pixels − capaz de obter imagem RGB ou infravermelha. Ressalta-se ainda a possibilidade do uso de três objetivas com 35, 60 ou 100 mm de distância focal, obturador de fácil e rápida substituição, possibilidade de utilização de plataforma estabilizadora e da utilização simultânea com o perfilador laser, compartilhando o uso do altamente preciso sistema inercial dos nossos perfiladores a laser ALS50-II. A utilização simultânea, Laser e Câmara, é particularmente muito indicada para mapeamento de corredores e serviços de menor porte, sejam de engenharia ou mapeamento. Com isso, agora temos também à disposição mais uma nova e importante ferramenta que poderá reduzir os custos de alguns serviços sem, no entanto, perder de forma significativa a qualidade geométrica.
O ano de 2010 também marcou o início das atividades da ESTEIO em Levantamentos com o uso de Laser Terrestre. Em um primeiro momento, estes estiveram restritos a levantamentos estáticos, já amplamente difundidos no mercado e com aplicação nas mais diversas áreas.
Visando suprir as necessidades internas e de seus clientes, e somado a experiência adquirida ao longo dos último 10 anos em sistemas de varredura a laser Aerotransportado, a ESTEIO passou a incorporar a sua carteira de serviços os Levantamentos Laser Terrestre Móvel, para as mais diversas finalidades.
Este primeiro levantamento teve como cliente a área de Engenharia da ESTEIO, visando substituir o método topográfico convencional, pela tecnologia laser móvel. O levantamento foi executado ao longo de uma avenida com extensão de 16 km lineares, tendo três pistas em cada sentido.
Os elementos obtidos no levantamento abrangeram dentre outros: Alinhamento predial, árvores e respectivos diâmetros, postes e torres e respectivos diâmetros, meio-fio, bueiros, valas, caixas de inspeção e o mobiliário urbano (abrigos de ônibus, telefones públicos, etc.), bem como semáforos e placas de sinalização são normalmente os elementos cadastrais que podem interferir na elaboração de projetos viários.
A rapidez e riqueza de dados obtidos através do laser terrestre móvel são muito superiores se comparado aos obtidos por topografia convencional, além disto, o mesmo permite que o levantamento seja executado a noite, onde o tráfego nas ruas e avenidas é bem menor.
Por último, a quantidade e variedade de produtos e subprodutos que podem ser obtidos a partir deste são enormes, valendo o mesmo para as aplicações a partir destes.

2009

Ecobatimetro Digital

Em 2009, a ESTEIO adquiriu seu segundo ecobatimetro digital (single beam), Modelo HYDROTRAC da marca ODOM.
O equipamento opera na frequência de 200 Khz, que possibilita alcançar profundidades de até 100 metros, com uma acurácia de: 1 cm + 0,1% da profundidade.
O equipamento permite ainda a substituição entre transdutores, este de 33 Khz, que atinge profundidades de até 600 metros.
Também em 2009, a ESTEIO adquiriu o radar de subsolo GPR IDS, Modelo – RIS MF Hi-Mod, produto de última geração desenvolvido principalmente para mapeamento de utilidades (interferências) enterradas.
Voltado para levantamentos em áreas urbanas e rurais, o equipamento permite a operação com duas antenas nas frequências de 200 e 600 MHz, para adquirir simultaneamente dados de elementos no subsolo com uma maior amplitude na profundidade.
Além disso, a ESTEIO atualizou seu sensor digital ADS40. O sensor continua sendo denominado como ADS40 tendo como principal mudança o seu cabeçote que passou do modelo SH40 para o SH52.
As principais vantagens desta atualização foram a alteração do Tricóide para Tetracóide permitindo assim a aquisição de modelos estereoscópicos coloridos ou infravermelho, ganho de qualidade de imagem e ganho no intervalo de execução do voo.

2008

Equipamento a Laser

Em 2008 a ESTEIO adquiriu o seu terceiro equipamento para varredura a LASER.
O segundo do modelo ALS50 da Leica com capacidade para obter coordenadas tridimensionais do terreno com até 166.000 pontos por segundo.

2007

IESSA (Indra ESTEIO Sistemas S.A.)

Os provedores de tecnologia em ITS devem oferecer soluções mais abrangentes e mais seguras aos gestores.
A ETT (ESTEIO Tecnologia em Trânsito) nasceu para isso e junto com a espanhola Indra formaram a IESSA (Indra ESTEIO Sistemas S.A.). é a junção da expertise em desenvolvimento tecnológico com a capacidade de implantação de soluções complexas.
A IESSA provê sistema específicos, mas também é convergência em ITS Rodoviário.
Além de promover a integração sistêmica, a IESSA foi formatada para atender os gestores de tráfego de países em desenvolvimento. O mercado de ITS na América Latina e demais regiões em desenvolvimento exige soluções adequadas às necessidades locais aliadas à agilidade decisória.
Por isso a IESSA é, ao mesmo tempo, desenvolvedora, fabricante e player.

2006

Sensor Digital Aerotransportado

Em 2006 a ESTEIO trouxe para o Brasil dois novos sensores fabricados pela Leica Geosystems: o Sensor Digital Aerotransportado – ADS40, capaz de captar imagens com resolução de até cinco centímetros e o Sensor a Laser Aerotransportado de 150kHz – ALS50 capaz de obter coordenadas tridimensionais no terreno de até 150.000 pontos por segundo.
Foi o maior investimento isolado de nossa história.

2005

SBP (Sub-Bottom Profiling)

Em 2005 a ESTEIO adquiriu mais um equipamento com tecnologia avançada: O SBP (Sub-Bottom Profiling). Trata-se de um Sistema de Perfilamento de Leitos Submersos que trabalho como um perfilador de alta resolução que transmite uma pulsação de FM disposta linearmente sobre uma onda portadora.
O retorno acústico recebido em hidrofones gera imagens de alta resolução da estratigrafia do sub-leito em oceanos, lagos e rios, podendo operar em profundidades de até 300 metros.

2004

Estações Fotogramétricas

Para este ano de 2004, a ESTEIO já investiu na modernização de suas Estações Digitais adquirindo 10 Estações Fotogramétricas Leica que incrementarão o conjunto de estações já existentes. Com este investimento, a ESTEIO vai quadruplicar a sua capacidade produtiva na Captação Fotogramétrica, triplicar sua produção de Ortofotos Digitais e Tratamento de Imagem além de incrementar os serviços de Aerotriangulação Digital.

2003

Novos equipamentos e aeronaves

Para atender com extremo profissionalismo aos serviços contratos como também às expectativas de serviços futuros, a ESTEIO resolveu aumentar a sua frota adquirindo mais uma aeronave. Trata-se do bi-motor prefixo PT-RAY.
Este ano a ESTEIO adquiriu mais 10 unidades do equipamento PCM (Pipeline Current Mapper) para localização e detecção de possíveis revestimentos danificados e rompimento de dutos enterrados.
O GPR transformou-se em uma ferramenta importante na localização de tubulações e cabos enterrados. Evitar interferências enterradas existentes é um pré-requisito para toda a implantação de novos empreendimentos. O GPR fornece dados para a avaliação de novos traçados e identificação de obstáculos enterrados. O planejamento antes da escavação reduz custos e evita imprevistos no momento da implantação da obra.
Para atender seus clientes com mais esta linha de serviços, a ESTEIO adquiriu no ano de 2003, um novo equipamento de GeoRadar da linha SIR-3000. Este equipamento permite as mais diversas investigações de subsolo sejam de elementos enterrados ou para estratigrafia de solo.

2002

Pipeline Current Mapper

Com a diversificação de seus serviços na área de Petróleo e Gás, a ESTEIO adquiriu equipamentos especializados chamados PCM (Pipeline Current Mapper) para a tarefa de detecção de dutos enterrados. A detecção compreende a sua localização horizontal e vertical em relação ao nível do solo.
Outro procedimento agregado a este tipo de equipamento é a definição de locais no duto onde o revestimento se encontra danificado. Esta particularidade permite encontrar possíveis focos de deterioração e rompimento do duto sendo um preventivo na sua manutenção e substituindo métodos mais invasivos e custosos como a escavação.

2001

Airborne Laser Terrain Mapper

Neste ano, a ESTEIO incorporou ao seu conjunto de equipamentos de última geração, o ALTM (Airborne Laser Terrain Mapper). Este aparelho adquire dados de elevação do terreno por varredura a LASER, com precisão equivalente ao GPS, mas com muito mais rapidez e maior densidade.
O sistema aerotransportado de mapeamento a laser (ALTM – Airborne Laser Terrain Mapper) da Optech Inc. é um equipamento projetado para obtenção de coordenadas espaciais (X,Y,Z) de pontos na superfície terrestre.
Consiste em um sensor onde está alojado um LASER de espectro próximo do infravermelho, sistema de referência inercial, parte ótica e eletrônica do receptor e um rack de controle que abriga os componentes do computador, controlado por uma tela de toque (touch screen).
Quando em funcionamento, um LASER de alta precisão é direcionado para o solo por uma abertura no chão de aeronave. O LASER varre a superfície do terreno abaixo da aeronave e registra a distância até o solo para cada um dos raios emitidos.
A partir daí, por pós-processamento é obtida a coordenada espacial de cada ponto medido.

Suas principais utilizações são:

2000

Tecnologia GPR

Neste ano a ESTEIO adquiriu o equipamento GPR, considerado o equipamento mais sofisticado para sondagens e investigações de baixa profundidade. Leia abaixo um breve resumo da tecnologia GPR.
O GPR (Ground Penetrating Radar) ou GEORADAR, como também é conhecido é um método geofísico de investigação, que basicamente consiste na emissão contínua de ondas eletromagnéticas no solo. Parte destas ondas é refletida nas estruturas ou objetos em profundidade. Os sinais são emitidos e recebidos através de uma antena disposta na superfície do terreno.
Após muitos anos de desenvolvimento, atualmente o GPR é considerado o equipamento mais sofisticado para sondagens e investigações de baixa profundidade. É amplamente aplicado nas seguintes áreas:

  • Geologia
  • Geotecnia e Engenharia
  • Meio Ambiente (Determinação de Fluídos Contaminantes)
  • Levantamentos de Estradas e Pontes
  • Arqueologia
  • Identificação de tubulações

Suas principais vantagens são:

  • Possibilidade de executar perfis contínuos do solo
  • Rapidez e baixo custo nos levantamentos, se comparado a sondagens e ou escavações, que geralmente são estudos pontuais.
  • Resultados rápidos e de alta resolução

É um método não destrutivo, ou seja em locais onde há vegetação, não é necessário à derrubada de árvores e em cidades, evita o inconveniente de obras, trincheiras, etc.

1999

Sistemas de Informação Geográfica (SIG)

Há alguns anos, a ESTEIO vem adquirindo experiência na área de Sistemas de Informação Geográfica (SIG) em virtude de sua atuação em serviços de geoprocessamento.
Desde a aquisição dos programas MapInfo e dbMapa e posteriormente com a aquisição de programas ArcView (ESRI) e Autocad Map (Autodesk), a ESTEIO sempre procurou manter uma diversidade no conhecimento e utilização de programas para SIG.
Neste ano, a ESTEIO adquiriu o sistema de compressão de imagens MrSID (Lizardtech) para proporcionar a entrega de produtos raster de maneira compacta e confiável.
Também atualizou suas licenças do programa ERMapper (ERMapper) para obter melhor desempenho na mosaicagem e tratamento digital de imagens na Percepção Remota.

1998

Fotogrametria Digital

No decorrer de 1998, a ESTEIO fez um investimento significativo na área da Fotogrametria Digital.
Neste período adquiriu três Estações Fotogramétricas Digitais DPW 770 NT da LH Systems para incrementar a sua produtividade na Captação Fotogramétrica.
Além disso, adquiriu um novo equipamento analítico InterMap Analytic ABC-PC para uso nas atividades de leitura de modelos para Aerotriangulação e para Captação Fotogramétrica.
Estes equipamentos uniram-se aos equipamentos já existentes na empresa e dobraram a capacidade produtiva na Captação Fotogramétrica e Aerotriangulação.

1997

Câmera Analógica

Em 1997, dentro de uma filosofia de atualização de métodos e equipamentos, a ESTEIO adquiriu um sistema de câmara analógica aérea ZEISS RMK-TOP 15, o mais moderno disponível no mercado.
Este conjunto é totalmente computadorizado e permite a automatização do processo de tomada de fotografias aéreas.
Com este equipamento, a ESTEIO teve um avanço tecnológico significativo nas técnicas de recobrimento aéreo, e por consequência, nas demais etapas do processo de geração de mapas.
Além disso, reduziu-se custos operacionais e consequentemente nos custos finais do mapeamento.

1996

Batimetria com GPS

Em 1996, a ESTEIO adquiriu o ecobatímetro digital ODON e programa para levantamentos hidrográficos HYPACK for Windows, passando a oferecer serviços de Batimetria com GPS.
A metodologia GPS adotada para os Levantamentos Batimétricos é a captação de coordenadas em tempo real, corrigidas por rádios especiais, classificada como DGPS (Diferencial Global Positioning System).
Simultaneamente à captação das coordenadas (X,Y) é realizada a captação da coordenada (Z) através de leitura do ecobatímetro digital.

1994

Ortofoto digital e Tratamento de Imagens

No ano de 1994, a ESTEIO adquiriu sistema de ortofoto digital e tratamento de imagens, que inclui uma estação de escanerização LEICA DSW 100, a estação de tratamento de imagens LEICA DPW 770 além do sistema ERMapper 5.0 para tratamento de imagens digitais.
A opção por esta configuração foi feita com base em várias experiências junto a fornecedores da Alemanha, Suíça, Canadá, e Estados Unidos.

1993

GPS e cobertura aerofotogramétrica

Seguindo a evolução tecnológica, em 1993, GPS e cobertura aerofotogramétrica se encontraram.
Com a aquisição de equipamentos GPS para navegação e a preparação do conjunto câmara aérea e receptor geodésico GPS, foi possível a obtenção de coordenadas espaciais dos centros perspectivos das fotografias aéreas no instante de cada tomada.
Coordenadas estas que são utilizadas na aerotriangulação com drástica redução na quantidade de pontos de apoio terrestre.

1991

Desenvolvimento de um sistema CAD

Em 1991, a ESTEIO iniciou o desenvolvimento de um sistema CAD (TEMap – SEI n° 21.364-0) com a finalidade de suprir as necessidades internas de captação fotogramétrica numérica, digitalização, edição de cartografia digital.
Ainda em 1991, a ESTEIO adquiriu o programa DCA (atualmente denominado ADVANCED DESIGN) que opera em ambiente AUTOCAD introduzindo a computação gráfica também na área de engenharia viária.
No período de julho/92 a setembro/93 elaborou para a FERRONORTE, o projeto básico de engenharia em meio digital com o uso deste sistema.

1990

Pioneira mais uma vez (ou) Pioneira em operações geodésicas com GPS

Em 1990, dentro de uma constante preocupação com a evolução tecnológica, a ESTEIO foi pioneira mais uma vez, entre as empresas brasileiras de aerolevantamento, ao equipar-se para a realização de operações geodésicas com rastreadores de satélites do sistema GPS NAVSTAR, tendo obtido excelentes resultados nos serviços já executados tanto em termos de precisão quanto em produtividade.

1988

Geoprocessamento e tratamento digital de imagens

Acompanhando os avanços na área de Percepção Remota, a ESTEIO adquiriu em 1988, o sistema de tratamento de imagens SITIM / SGI da Engespaço, e ingressou na tecnologia de geoprocessamento e tratamento digital de imagens, com vistas à utilização de imagens orbitais (dos satélites LANDSAT, SPOT ou SOJUS).
Com este sistema executou diversos trabalhos de geoprocessamento e de tratamento de imagens de satélites como por exemplo, a prestação de serviços técnicos de engenharia e mapeamento temático para estudo de traçado do gasoduto Bolívia/Brasil para a PETROBRAS.

1985

Cartografia Digital

Em 1985, com a aquisição de uma estação analítica ZEISS Planicomp C-120 com minicomputador HP 1000 e sistema de restituição PLANIMAP e automatização dos equipamentos analógicos para uso deste sistema, tornou-se a primeira empresa brasileira a se habilitar para a execução dos serviços de Cartografia Digital. Após, o programa foi substituído pelo sistema gráfico TEMap desenvolvido pela ESTEIO.
A informatização dos processos fotogramétricos voltou a ser incrementada em 1986, com a aquisição de um ortoprojetor analítico ZEISS Orthocomp Z-2 com mais uma unidade HP 1000.

1981

Primeiros microcomputadores

Em 1981, nos primórdios da computação pessoal, a ESTEIO adquiriu os primeiros microcomputadores (tipo PC) para aplicação em cálculos de engenharia substituindo as calculadoras programáveis.
Este foi o primeiro passo que a empresa deu em direção ao desenvolvimento de programas e produtos próprios adequados aos seus serviços e clientes.

1980

Mapeamento por ortofotocartas

Em 1980, com a aquisição do instrumento Gigas-Zeiss GZ-1, passou também a executar serviços de mapeamento por ortofotocartas.
Assim, a ESTEIO foi uma das primeiras empresas brasileiras a capacitar-se em fornecer produtos ortofotográficos. Desde então, já executou milhares de quilômetros quadrados de mapeamento com ortofotografia.

1977

Revolução no levantamento cadastral rural

Atuando também na área de levantamentos de campo, em 1977 a ESTEIO revolucionou os métodos de levantamento cadastral rural, com a introdução da pré-sinalização para medição fotogramétrica de lotes no denominado imóvel Pepery, no Estado de Santa Catarina, serviço contratado com o INCRA – Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária.

1976

Categoria “A” no EMFA

A crescente necessidade da utilização de levantamentos aerofotogramétricos como base de apoio à elaboração de projetos, levou a ESTEIO a equipar-se e a preparar uma equipe técnica para a realização de serviços de aerolevantamento.
Assim, em 1976, foi inscrita como empresa de categoria “A” no EMFA – Estado Maior das Forças Armadas do Brasil, passando a executar coberturas aerofotogramétricas e mapeamento convencional.

1969

Fundação

A ESTEIO ENGENHARIA E AEROLEVANTAMENTOS S.A., fundada em 1969, é uma empresa brasileira de capital fechado. Atuando como empresa de consultoria, no início da sua existência as atividades se concentravam na execução de projetos e supervisão de obras de engenharia civil, nomeadamente rodovias, ferrovias, aeroportos, saneamento e linhas de transmissão de energia elétrica.
Desde sua fundação portanto, tem a ESTEIO se dedicado a consultoria na área de transportes, tendo executado alguns milhares de quilômetros de projetos, bem como acompanhamento, supervisão e fiscalização de obras, incluindo terraplenagem, pavimentação, drenagem, obras de arte correntes, estabilização de encostas, obras de contenção, pontes e viadutos, geotecnia, hidrologia, geologia, plano funcional, estudo de tráfego, orçamento, projeto de restauração e duplicação, estudo de viabilidade técnico-econômica e RIMA para rodovias e ferrovias.

INÍCIO DO HISTÓRICO DA ESTEIO