Cada vez mais preocupada com o meio ambiente, a PETROBRAS continua investindo em estudos que buscam diminuir os riscos de acidentes em suas faixas de dutos; Uma das formas para se diminuir esses riscos é a substituição da tubulação antiga em travessias que possam determinar possibilidades de instabilidade para os dutos, fruto do trabalho contínuo dos rios moldando seu próprio leito;

Considerando Normas da PETROBRAS, a definição para “Travessia” é “Obra correspondente à passagem do duto através de rios, riachos, lagos, açudes e regiões permanentemente alagadas, ou sobre depressões profundas, grotas e ravinas”;

A ESTEIO novamente participa com suas especialidades em levantamentos de interesse às questões apresentadas acima e para tal, realizou recentemente estudos completos em 23 travessias consideradas imprescindíveis de levantamentos, de um total de 40 apresentadas pela PETROBRAS.

Etapas do Trabalho

Investigação Preliminar de Campo

Levantamento Topográfico

A segunda etapa consistiu no levantamento topográfico da Travessia, sua localização e geoposicionamento dos dutos.

Mereceu destaque a segunda atividade, ou seja, a localização e geoposicionamento dos dutos, já que fazia parte do contrato da ESTEIO, garantir a integridade dos dutos.

No total foram levantados topograficamente (levantamentos topobatimétricos), aproximadamente 800 mil m².

Durante a etapa de localização e geoposicionamento dos dutos, foram encontrados dutos desativados, como por exemplo na travessia do rio Pojuca (Faixa de Dutos Catu – Candeias).

Conforme alertado pela PETROBRAS, esses dutos mesmo em desuso podem conter gás em seu interior, e obviamente se não for tomado conhecimento durante a execução de sondagens diretas, podem ocorrer acidentes.

Levantamento GPR (Ground Penetrating Radar)

Essa técnica consiste na utilização de ondas eletromagnéticas repetidamente radiadas para o interior do solo, por meio de uma antena transmissora colocada na superfície. A propagação do sinal eletromagnético depende da frequência do sinal transmitido e das propriedades elétricas das camadas a serem atravessadas. As mudanças de tais propriedades, em subsuperfície, fazem com que parte do sinal seja refletida ou refratada. As ondas refletidas e refratadas em subsuperfície são captadas por uma segunda antena que compõem o conjunto. A energia refletida é registrada em função do tempo do percurso (tempo duplo), amplificada e gravada para depois ser processada.

Em função dos retornos de sinal, a técnica de levantamento GPR também pode ser utilizada com bastante eficiência na detecção de tubulações enterradas (tubulações plásticas, concreto e metálica).

Após os levantamentos de campo, os resultados coletados foram encaminhados para a sede onde foram processados e interpretados.

Os resultados obtidos foram representados em plantas específicas.

Em função das restrições por condutividade elétrica do solo (presença de água e solos argilosos), nem todas as travessias tiveram a execução de levantamentos GPR, sendo que para essas foi utilizada a técnica conhecida como Tomografia Elétrica (TE).

Esta técnica consiste em se executar uma série de medidas de resistividade aparente na superfície do terreno, com um arranjo fixo de eletrodos de corrente e potencial (AB=MN), ao longo de um perfil (figura 1), constituindo-se numa varredura lateral da área de interesse, com intuito de se investigar a continuidade das feições ou estruturas em subsuperfície.

O resultado deste rastreamento lateral origina, as assim chamadas pseudo-seções (figura 2), onde são apresentados os valores plotados das resistividades aparentes medidas.

As travessias que tiveram esse tipo de levantamento, foram: Rio Sauípe, Subaúma e Inhambupe (faixa de dutos Sergipe – Bahia – GASEB).

Levantamento SBP (Sub-Bottom Profiling)

Outra Metodologia utilizada para se estudar a estratigrafia do sub-leito dos rios foi o SBP.

O Sistema de perfilamento de Leitos submersos 3100, é um perfilador de alta resolução que transmite uma pulsação de FM disposta linearmente sobre uma onda portadora. O retorno acústico recebido em hidrofones gera imagens de alta resolução da estratigrafia do sub-leito dos rios.

Sondagens

A execução das sondagens diretas (Percussão e/ou Rotativa) foi a etapa de campo que mais tempo demandou, em função das características do terreno.

no total foram executados 2021 metros de sondagem a percussão e 1618 metros de sondagem rotativa, sendo assim dividido:

Faixa de Dutos

Sondagem (m)

Percussão Rotativa
Catú – Candeias

426

116

Sergipe – Bahia(Gaseb)

814

639

Guamaré – Cabo(Nordestão)

545

517

Guamaré – Fortaleza(Gasfor)

236

346

Uma outra etapa concluiu as atividades de campo. As amostras de rochas coletadas em algumas travessias, foram encaminhadas para laboratório visando obter resultados de resistência à compressão uniaxial, que visa determinar qual a tensão que provoca a ruptura da rocha quando submetida a esforços compressivos e ensaios de abrasão.

Qualidade, Segurança, Meio Ambiente e Saúde (QSMS)

Todas as atividades de campo respeitaram as exigências de Qualidade, Segurança, Meio Ambiente e Saúde (QSMS), estabelecidas pela PETROBRAS.

Produtos Entregues

Ao final dos estudos de travessias foram elaborados desenhos e relatórios com recomendações sobre o método construtivo a ser adotado, locação para implantação da travessia e sugestões para monitoramento.

Esses relatórios atém de conterem os resultados obtidos em cada uma das etapas de trabalho, apresentam análise e discussões com vistas a caracterização quantitativa dos riscos de instabilidade da travessia.

Síntese dos Serviços Realizados