No Campo de Mexilhão, localizado em águas profundas e em mar aberto, 150 km a sudeste de Ilhabela na Bacia de Santos/SP, segundo estudos da PETROBRAS, existe uma expectativa de se produzir até 15 milhões de m³/dia de gás até 2012.

Em paralelo, outros estudos da PETROBRAS definiram o transporte deste gás por meio de gasoduto submarino até a costa, no litoral, onde será processado na Unidade de Tratamento de Gás de Caraguatatuba (UTGCA).

Desta unidade (UTGCA), o gás seguirá transportado também por gasoduto até Taubaté/SP, cujo trecho chamado Caraguatatuba – Taubaté, integrará a malha dutoviária da região Sudeste.

O traçado terrestre desse gasoduto terá aproximadamente 106 km de extensão, dividido em duas partes: Praia – UTGCA (aprox. 6 km) e Caraguatatuba – Taubaté (aprox. 100 km).

A partir das necessidades acima, a ESTEIO foi contratada pela PETROBRAS para mapear a região e levantar uma série de informações, que possibilitaram a definição do melhor traçado para a futura obra.

Os serviços realizados pela ESTEIO, consideraram levantamentos desde a praia da Lagoa, no município Caraguatatuba/SP, até a região de Taubaté/SP.

O contrato PETROBRAS/ESTEIO teve como objetivo, a realização de “Estudos Aerofotogramétricos para fins Topográficos e Cadastrais, para implantação da faixa de Servidão de Passagem e áreas para instalações complementares do Gasoduto Caraguatatuba – Taubaté, da área da Unidade de Tratamento de Gás de Caraguatatuba (UTGCA), e da faixa de servidão de passagem do gasoduto de entrada de Gás”.

A aerofotogrametria tem se mostrado como metodologia bastante apropriada (e eficaz) na captação de informações que subsidiam projetos na área dutoviária.

Com as informações obtidas pela fotogrametria, a PETROBRAS teve condições de definir com rapidez e precisão o caminhamento da faixa de interesse.

Como atividade inicial dos trabalhos, a ESTEIO realizou coberturas aerofotogramétricas coloridas em escala 1:20.000 e 1:6.000, seguindo normativas técnicas e legais, em tempo hábil e que propiciaram evolução das demais atividades planejadas.

A cobertura aérea em escala 1:20.000 subsidiou a geração de produtos em escalas menores, sendo: Carta Imagem em escala 1:25.000, com abrangência de 15 km de largura e Projeto Básico em escala 1:10.000, com abrangência de 1,5 km de largura.

Os dois produtos mencionados foram gerados a partir de outras atividades, em específico, apoio terrestre, aerotriangulação e verificação estéreo do MDS gerado, o que proporcionou maior rigidez cartográfica aos produtos.

Sobre os produtos oriundos da cobertura em escala 1:20.000, foram inseridos dados vetoriais obtidos através de restituição aerofotogramétrica (Malha Viária e Hidrografia) e da cartografia sistemática do IBGE.

Segundo informações da PETROBRAS, esse produto tem como finalidade a análise das informações do meio ambiente que envolve a área do projeto (15 km de largura), para posterior envio ao IBAMA, visando análise para Estudos de Impactos Ambientais Indiretos.

Vale destacar que o produto gerado dessa forma foi pioneiro na ESTEIO, e por isso muito importante, para cumprimento das precisões estabelecidas nas Especificações Técnicas do contrato.

A segunda fase dos trabalhos, representou a geração de produtos a partir dos resultados da cobertura aerofotogramétrica colorida, em escala 1:6000 e recobrimento longitudinal de 60%. Dessas imagens foram geradas ortofotocartas em escala 1:1.000 e 1:5.000, sendo as de escala 1:1.000, referentes ao caminhamento da faixa (imagens com 400 metros de largura) e as ortofotocartas em escala 1:5.000, referentes as unidades industriais de GUARAREMA, SÃO SEBASTIÃO e REVAP.

As ortofotocartas geradas a partir do voo em escala 1:6.000 também foram geradas com base em dados de apoio de Campo e Aerotriangulação, mas diferente dos produtos do voo em escala 1:20.000, estas ortofotocartas tiveram seus dados altimétricos oriundos de processamento de dados de Escaner a LASER Aerotransportado.

Outra inovação, em relação aos serviços anteriores, foi a separação dos perfis das plantas em escala 1:1.000. Foram emitidas plantas cadastrais, plantas 1:1.000, perfil da faixa e por tratar-se de faixa existente em um dos segmentos, emitiu-se também perfil dos dutos existentes, representando assim 04 produtos diferenciados;

Os principais dados coletados e processados, foram representados nas ORTOFOTOCARTAS finais em escala 1:1.000, sendo os principais, os dados cadastrais, informações altimétricas (curvas de nível), dados geotécnicos, bem como dados de reambulação.

Os dados coletados na etapa de cadastramento de imóveis atingidos foram transferidos para o CADPROP, programa de cadastramento de propriedades, e apresentados em Fichas Cadastrais individuais, cujas descrições foram apresentadas em Memoriais Descritivos, também individuais.

Todos os produtos finais foram armazenados em um Sistema de Informações Geográficas que possibilita aos usuários, cruzar dados e resgatar informações de forma rápida e dinâmica.

O SIG possibilitará também aos usuários na fase de implantação da obra, inserção de informações específicas de projeto e construção, tornando-se também, ferramenta gerencial após a implantação física

Síntese de Serviços Realizados