Com origem em Pilar (AL), o GASALP possui 204 km de extensão e uma capacidade de 2,5 milhões m3/dia de transporte de gás natural.

O GASALP passa por dois Estados da Federação: Alagoas e Pernambuco e em seus 204 km de extensão para por 16 municípios;

A ESTEIO novamente participa com suas especialidades em levantamentos para a PETROBRAS, e neste caso, atua em estudos de travessias para um total de 21 rios na faixa do GASALP – Gasoduto Alagoas – Pernambuco.

O Objetivo desses Estudos foi investigar e analisar a estabilidade hidráulica e geológica, bem como as condições de cobertura dos cavalotes (Arranjo de tubulação pré-fabricado utilizado em travessias aéreas ou enterradas e em cruzamentos) nas travessias do Gasoduto, com base em levantamentos de campo e dados pré-existentes, consolidando os resultados obtidos à partir das atividades realizadas em novos levantamentos em campo, bem como com avaliação comparativa a dados pré-existentes gerados em levantamentos mais simplificados.

A execução de novos levantamentos em complemento a dados pré-existentes fornecidos pela PETROBRAS, tiveram como objetivo principal o mapeamento dos dutos existentes, caracterização e quantificação da cobertura sedimentar sobre os mesmos, visando subsidiar análises para determinação de eventuais intervenções a serem executadas nas travessias. Esse processo reforça ainda mais a preocupação da PETROBRAS com o meio ambiente, e demonstra que a empresa continua investindo em estudos que buscam diminuir os riscos de acidentes em suas faixas de dutos. Ao todo foram realizados estudos em 21 travessias na faixa do GASALP.

Além das etapas de campo já conhecidas de outros projetos realizados pela ESTEIO para a PETROBRAS, executamos neste contrato a localização da tubulação que encontra-se abaixo do leito do rio, utilizando tecnologia PCM (Pipeline Current Mapper) e neste caso, com recursos de antenas submersas (PCM submersível).

Esse equipamento permite a localizar com precisão a tubulação que está abaixo do leito do rio; Com o uso de mergulhadores experientes seguindo as rígidas normas de mergulho, aplicando ainda as normas de segurança estabelecidas pela PETROBRAS, a ESTEIO pode fazer a localização PCM naquelas travessias que exigiram o uso deste tipo de profissional (ex.: rios Mundaú e Pratagi);

Os resultados obtidos nesse tipo de levantamento foram representados graficamente nos perfil da travessia, facilitando a visualização da cobertura que se encontra a tubulação abaixo do leito do rio;

Outro diferencial deste serviço foi a utilização de Levantamento LASER em travessias. Com o intuito de agilizar o processo de obtenção de altimetria para a determinação do relevo das margens dos rios (parte seca), a ESTEIO fez uso às suas custas, de metodologia alternativa a topografia convencional, utilizando para tal o sistema de perfilamento a LASER aerotransportado, sensor Laser ALS 50 II MPiA (LEICA).

Os principais pontos a serem evidenciados, são a rapidez na obtenção da malha de pontos, além da densidade e quantidade fornecida. Para cada uma das travessias, foi planejado um voo para que fossem capturados 10 pontos por m². O planejamento foi feito considerando número de pontos por m² muito além do previsto no contrato (malha topográfica) em função de áreas de vegetação bastante densa (com base em experiência em trabalhos anteriores e levando em consideração o tipo de vegetação existente na região), esta densidade de 5 pontos por m², é muito superior à densidade de pontos exigida nos levantamentos topográficos (1 ponto a cada 100 m²), correspondente a uma malha de 10 por 10 metros;

A adoção da metodologia para obtenção de altimetria através de sensor Laser aerotransportado, para este caso, não eliminou a necessidade de complementações ou validações em campo, onde foram avaliados:

Após o processamento dos dados batimétricos e topográficos complementares, constatou-se o que já era esperado, ou seja, a eficiência dos levantamentos LASER;

Ao final dos estudos de travessias foram elaborados desenhos e relatórios com recomendações, que vão desde o monitoramento da travessia até a indicação de interferência de obra face às exposições da tubulação no leito do rio.

Esses relatórios atém de conterem os resultados obtidos em cada uma das etapa de trabalho, apresentam análise e discussões com vistas a caracterização quantitativa dos riscos de instabilidade da travessia;

Os resultados finais além dos laudos contém também as análises de cada uma das etapas executadas, sejam elas diretas ou indiretas: GPR, SBP, PCM, Caminhamento Elétrico (resistividade elétrica) e sondagens percussão (SPT);

Síntese dos Serviços Realizados: