Introdução

Este serviço refere-se a levantamentos de GPR (Ground Penetrating Radar) realizados no prédio da Agência Central dos Correios em Curitiba, conhecido como Correio Velho: nome popular da primeira agência oficial de correios e telégrafos, construída em 1934. Sua edificação foi considerada um marco da modernidade no Estado na década de 1930, com iluminação potente, elevadores, relógios eletrônicos e instalações telegráficas. Atualmente o prédio é tombado pelo Patrimônio Histórico e face à necessidade de obras de ampliação, foram solicitados levantamentos de GPR com o intuito de verificar a eventual presença de antigas estruturas de cunho histórico e/ou arqueológico.

A identificação destes elementos, em conjunto com outros dados, serve de base para um adequado planejamento das futuras obras a serem realizadas neste prédio.

A realização destes serviços teve como objetivo complementar informações oriundas de sondagens, poços e trincheiras realizadas em pontos específicos do prédio em uma etapa anterior, aumentando assim a cobertura da área investigada, sem a necessidade de abrir e quebrar outros locais do piso, já que o GPR é um método de investigação não invasivo e de alta precisão

Estes levantamentos foram executados no mês de janeiro de 2009, distribuídos junto a alguns pilares do prédio, de acordo com orientações dos geólogos envolvidos no projeto e com base nas plantas fornecidas pelo Correios / Geplan.

Metodologia

Os levantamentos com o GPR (Ground Penetrating Radar) ou GEORADAR, como também é conhecido, resumem-se em arrastar lentamente uma antena (transmissor e receptor) ao longo das áreas de interesse.

A antena é ligada a uma unidade de controle, por um cabo coaxial, responsável por gerenciar todos os parâmetros de aquisição e armazenamentos dos dados.

Neste estudo, os dados foram adquiridos através de perfilagem contínua, com arranjo monoestático, ou seja, a mesma antena, de 200 ou 400 MHz, possui a finalidade de transmissora e receptora das ondas eletromagnéticas. A fim de minimizar o efeito da divergência esférica, caracterizado pela atenuação das ondas no meio propagado, aplica-se um ganho, durante a aquisição, a partir da análise da amplitude dos traços em função do tempo.

A posição geográfica dos perfis realizados foi referenciada a pontos notáveis, com base nas plantas de projeto fornecidas pelos Correios / Geplan. Para tanto, durante a aquisição dos perfis, utilizou-se um distanciômetro (survey wheel), acoplado a antena que automaticamente cria “marcas” a intervalos regulares previamente definidos, de tal forma que, sabendo-se a localização de início e fim de cada seção, é possível georeferenciar cada ponto levantado pelo GPR.

O sinal enviado pela antena, basicamente constitui-se de um impulso de duração muito pequena, da ordem de nanosegundos e o tempo de retorno deste sinal varia de acordo com a decisão do operador, em função dos objetivos e alcances do estudo.

A decisão da antena a ser utilizada varia em função das dimensões e das profundidades dos objetos refletores a serem estudados, bem como dos objetivos da investigação e dos parâmetros elétricos do terreno (condutividade elétrica e permeabilidade magnética).

Os dados obtidos durante o levantamento são então armazenados na unidade central, que posteriormente são transferidos para um computador a fim de serem processados e interpretados.

Resultados Obtidos