Em 2003 a ESTEIO executou o Levantamento Batimétrico e Medição da Vazão do Reservatório da Unidade UN-SIX da PETROBRAS e do Córrego Canoas, no município de São Mateus do Sul, no estado do Paraná.

Em junho de 2008, a ESTEIO executou novo Levantamento Batimétrico para a perfeita caracterização do reservatório que abrange uma área de aproximadamente 615.000,00 m².

Este segundo levantamento foi realizado de forma simplificada, excluindo a medição da vazão, a implantação de marcos e o levantamento topográfico da parte seca, ou seja, do entorno do reservatório, já realizados em 2003.

Base

Os marcos geodésicos implantados no levantamento realizado em 2003 serviram de BASE para o levantamento atual.
A reocupação dos marcos só ocorreu mediante a avaliação da estabilidade e certificação de que os mesmos não sofreram qualquer tipo de deslocamento.

Equipamentos

Para a execução do levantamento batimétrico foi utilizado o ecobatímetro digital que emite ondas ultra-sônicas para a determinação de medidas de profundidades compreendidas entre 0,50 a 120,00 metros, com resolução é de 0,1m. Este equipamento possibilita a entrada de dados relativos à velocidade de propagação do som na água e da profundidade do transdutor (sonda que emite e recebe o som, pelo qual a profundidade é determinada). Para o posicionamento planimétrico (bidimensional) da embarcação foram utilizados receptores GPS de dupla frequência, da marca LEICA, modelo SR-530, recebendo correções diferenciais (DGPS).

Batimetria

O conjunto de equipamentos a bordo, composto por um receptor de satélites GPS e pelo ecobatímetro, ambos conectados a um microcomputador e gerenciados pelo programa denominado Hypack, permite a correlação entre as profundidades obtidas pelo ecobatímetro com as coordenadas planimétricas advindas do GPS ao longo das seções navegadas. Estas seções foram planejadas de forma transversal à represa, aproximadamente paralelas e distanciadas entre si de aproximadamente 10 metros.

Registro e Tratamento dos Dados

Os dados levantados foram registrados graficamente e de forma digital pelo Digitrace. Este módulo possibilita a entrada de dados relativos à velocidade de propagação do som na água e da profundidade do transdutor. A frequência de operação do ecobatímetro, assim como a velocidade empregada na navegação, permitiu coletar em média 5 pontos por segundo, 20 a 30 centímetros percorridos na seção.

Em seguida, todos os dados coletados passaram pela etapa de edição, através do módulo Editing do programa Hypack. Com este módulo foi possível visualizar o comportamento da embarcação durante o levantamento de cada seção e também o traçado do perfil da seção para identificar eventuais discrepâncias ocorridas durante o levantamento, subsidiando a tomada de decisão quanto à necessidade de refazer algum trecho da seção.

Resultados

Após o processamento das informações batimétricas, foi realizada a edição dos arquivos e geração de curvas de nível usando o programa AUTOCAD (AutoDesk Inc.) com auxílio de aplicativo específico de topografia POSIÇÃO (Manfra & Cia Ltda.).

Edição

A etapa seguinte, a de Edição, consistiu na emissão das plantas, mantendo a mesma articulação de folhas e o mesmo limite da represa, definidos para o levantamento realizado em 2003, com as informações batimétricas atualizadas. Nesta etapa foram também realizadas as adequações de layers, traços, símbolos e posicionamento das toponímias.

Mesmo com a depuração de pontos realizada na etapa de levantamento, para proporcionar a boa legibilidade e clareza das informações nas plantas impressas, foi necessária a generalização de pontos batimétricos, mediante aplicação de algoritmo de redução de pontos.

Produtos

Os principais produtos deste serviço foram: