Em 1997, a ESTEIO Argentina executou um dos maiores serviços de Rede Geodésica e Locação de Minas realizado por uma empresa privada no país denominado SUBRED GEODESICA MINERA Y REPOSICION DE LINDEROS DE MINAS CONCEDIDAS. O serviço é parte de uma reestruturação no sistema mineiro argentino, visando a atração de novos investimentos, nacionais e estrangeiros, destacando-se o georreferenciamento de todas as minas a um único sistema. A ESTEIO realizou os seguintes trabalhos:

Aspectos Técnicos do Projeto

Rede Geodésica GPS

No início foi planificada uma Rede Geodésica Básica vinculada a pontos da Rede Geodésica Nacional (Posgar 94) para a determinação de 60 pontos distribuídos entre as 4 províncias, com erro médio de vector entre os pontos não superior a 0,05m + D x 10-6 ( D distância em metros ), precisão esta que foi alcançada com a medição multisessão-multiestação e tempo mínimo de 10 horas com pós-processamento utilizando-se software específico ( multisessão- multiestação – Geonap) processado pelo grupo de Geodésia da Universidade de La Plata através de um convênio com a empresa. A Rede Geodésica Secundária foi densificada a partir destes primeiros pontos e teve características similares de medição e processamento a Rede Básica.

*** A Rede Geodésica Posgar é formada por 127 pontos materializados em terreno e distribuídos por todo o pais, tendo suas coordenadas relacionadas ao elipsóide WGS 84.

Locação de Minas

Destaca-se, dentro do projeto, o volume de levantamentos topográficos realizados somados as dificuldades geográficas de acesso. Para a localização das minas foi utilizado material de apoio como: planos de medição existentes, navegadores GPS, cartas topográficas e o auxílio de tropeiros residentes nas regiões de trabalho, de fundamental importância, já que algumas minas existentes eram do final de 1800 e princípios de 1900.

Mobilização e Recursos

Entre os distintos meios de transporte utilizados durante o decorrer do projeto está a eficiência dos helicópteros, jeeps 4×4 e quadriciclos para zonas de salinas e montanhas, ademais do tradicional e eficiente transporte animal.

Ressalta-se o uso de outros equipamentos de logística para o andamento do projeto, entre eles o uso de telefones satelitais, rádios BLU, navegadores GPS, altímetros e computadores portáteis.