Em outubro de 2005 a ESTEIO assinou com a PETROBRAS o contrato de EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO, com prazo de 135 dias, através da ENGENHARIA, IETEG, IENOR, para a construção do Gasoduto Coari-Manaus com data de conclusão para março de 2006.

Este empreendimento representa um dos principais caminhos para o desenvolvimento sustentável da Amazônia, visando a ampliação da oferta de energia na região norte, transportando o gás natural produzido na base de operações geólogo Pedro Moura, em Urucu, a partir do terminal Solimões em Coari, até a refinaria de Manaus. Em 1997 foi realizada a construção do primeiro trecho do gasoduto Urucu – Manaus, um gasoduto interligando a região produtora do Rio Urucu até o terminal aquaviário de Coari, localizado na margem do Rio Solimões, próximo à cidade de Coari, ambos no estado do Amazonas.

Por tratar-se de uma região densamente arborizada criou-se a dificuldade de se conseguir a elaboração de um modelo digital do terreno com precisão requerida para a implantação da faixa, algo que a aerofotogrametria convencional não se mostrou adequada para o projeto em questão e que só foi possível se obter através do uso de técnicas mais precisas, como o LASER e a topografia.

Sendo assim a escolha do traçado foi feita a partir do estudo prévio de impacto ambiental, com base em imagens satelitais e voos aerofotogramétricos, subsidiado também pelos estudos topográficos e hidrológicos, permitindo identificar melhor a topografia do terreno e os cursos d’água.

Com aproximadamente 520 Km de extensão (incluindo ramais), o gasoduto Coari – Manaus atravessará os municípios de Coari, Codajás, Anamã, Caapiranga, Manacapuru, Iranduba e Manaus. Adicionado ao trecho já existente o gasoduto Urucu – Manaus terá uma extensão total de 665 Km.