O GPR (Ground Penetrating Radar) ou GEORADAR, como também é conhecido é um método geofísico de investigação, que basicamente consiste na emissão contínua de ondas eletromagnéticas no solo. Parte destas ondas é refletida nas estruturas ou objetos em profundidade. Os sinais são emitidos e recebidos através de uma antena disposta na superfície do terreno.

O GPR, assim com diversos equipamentos de pesquisa, foi inicialmente desenvolvido para fins militares na segunda grande guerra. Era utilizado para localizar armas, bombas e galerias subterrâneas.

Após muitos anos de desenvolvimento, atualmente o GPR é considerado o equipamento mais sofisticado para sondagens e investigações de baixa profundidade. É amplamente aplicado nas seguintes áreas:

Suas principais vantagens são:

É um método não destrutivo, ou seja em locais onde há vegetação, não é necessário derrubadar árvores e em cidades, evita o inconveniente de obras, trincheiras, etc.

A penetração do sinal de radar está condicionada primeiramente pelas propriedades elétricas dos terrenos, condutividade e permissividade elétrica (constante dielétrica). Portanto locais onde ocorrem materiais de baixa condutividade, o sinal de radar pode atingir profundidades superiores a 50 metros. Por outro lado, argilas condutivas e água podem reduzir sensivelmente a penetração do sinal de radar a profundidades inferiores a 1 metro.

A frequência do sinal emitido também contribui diretamente para uma maior ou menor penetração e resolução do método. Frequências maiores (400 – 2500 MHz) possibilitam maior resolução em sacrifício de uma maior penetração, que pode ser obtida pela emissão de frequências menores (10 – 200 MHz).

Os resultados dos trabalhos de investigação com o GPR representam cortes verticais do subsolo, permitindo assim individualizar a presença de materiais metálicos, topos rochosos, tubulações, cabos, cavidades, empilhamento estratigráfico e anomalias em geral.

Veja algumas aplicações de GPR (em PDF):

Veja alguns artigos sobre a tecnologia GPR (arquivo em PDF mas compactado com a extensão EXE devido ao seu tamanho em bytes para facilitar o download):

Artigos Relacionados