Segundo informações da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), com base no Balanço Energético Nacional (BEN), a participação de fontes renováveis na matriz elétrica do Brasil tem representado um aumento sistemático de produção nos últimos anos.
O momento vivido pela economia e o processo de industrialização brasileira, provocaram um grande aumento no consumo de energia. Nas últimas décadas, a energia consumida aumentou em torno de 7% ao ano, dobrando praticamente a cada dez anos.
As fontes de energia primárias mais consumidas no Brasil são: petróleo, hidreletricidade, lenha, cana-de-açúcar e bagaço de cana, carvão mineral e gás natural.
Em razão das novas legislações ambientais, o consumo de lenha e petróleo tem apresentado uma redução considerável nas últimas décadas e por outro lado, nota-se um significativo aumento no consumo de eletricidade, derivados da cana (álcool) e do carvão mineral.

O grande número de rios, o alto volume d’água, climas bastante úmidos em boa parte do território, representam algumas das condições geográficas favoráveis à produção de energia hidráulica.
Considerando o bom potencial hidráulico, cada vez mais empresas têm investido na geração de energia elétrica através das Pequenas Centrais Hidrelétricas, as chamadas PCHs, as quais têm contribuído bastante para a modificação do cenário da matriz energética nacional.

De acordo com a resolução nº 394 da Agência Nacional de Energia Elétrica, PCH (Pequena Central Hidrelétrica) é toda usina hidrelétrica de pequeno porte cuja capacidade instalada seja superior a 1MW e inferior a 30 MW, bem como área do reservatório inferior a 3 km², sendo a área do reservatório delimitada pela cota d’água associada a vazão de cheia com tempo de recorrência de 100 anos.

No contexto em que o crescimento do consumo aumenta cada vez mais e as geradoras de energia também são forçadas pelo mercado a aumentarem a geração de energia, o levantamento LASER tem sido ferramenta importante na captação rápida de informações que auxiliam no projeto e definição de uma PCH, em especial na delimitação de áreas, seja do espelho d’água, seja do levantamento do relevo visando definição da cota de inundação.

O Perfilamento a LASER é uma tecnologia de levantamento executado através de um escaner a LASER instalado em uma aeronave, o qual permite o levantamento de uma malha muito densa de pontos no terreno. Esta metodologia permite um levantamento altimétrico mais preciso e rápido da área. A partir desses pontos é possível a geração diversos produtos, tais como:

Hoje, o perfilamento LASER é a tecnologia mais ágil para obtenção de altimetria de terreno e proporciona algumas vantagens em relação ao método fotogramétrico:

A aplicação do levantamento LASER não se restringe apenas ao mapeamento de áreas, é possível fazer o levantamento do relevo onde será instalada a linha de transmissão (LT) e com essa informação é possível gerar o perfil longitudinal do terreno.
Mesmo depois da LT estar instalada, é possível continuar fazendo uso do levantamento LASER, nesse Levantamento da Linha de Transmissão e das feições da faixa (torres, cabos, árvores, edificações, etc.), Monitoramento da Linha de Transmissão com a finalidade de manutenção, Identificação de locais onde a vegetação está próxima dos cabos (para prevenção de acidentes), Atualização de informação sobre a ocupação da faixa de servidão, conforme pode ser visto no link http://www.esteio.com.br/servicos/executados/perfilamento/interlagos