O uso do GPR (Ground Penetrating Radar) tem sido adotado para as mais variadas aplicações, seja no seu principal objetivo de realizar prospecções geológicas até a sua utilização em investigações forenses.

Historicamente, o GPR foi desenvolvido para uso na segunda grande guerra com o objetivo de detectar minas, esconderijos e armamentos enterrados. Mas a sua facilidade na realização do levantamento, de forma indireta, bem como os bons resultados apresentados ampliou as suas aplicações.

Uma das mais recentes utilizações têm sido para investigar a existência de túneis bem como outros elementos como galerias de águas pluviais e tubulações subterrâneas, que possam permitir o acesso criminoso a instituições bancárias e financeiras.

O método consiste na emissão de ondas eletromagnéticas em determinadas frequências, que formam seções contínuas e identificam as características do subsolo (inclusive vazios como túneis), além de identificar elementos construtivos existentes, como tubulações, galerias, que também podem servir como acesso.

Com o crescente avanço de ações criminosas contra instituições bancárias e financeiras, a partir de túneis como acesso à prática de roubos, os sistemas de segurança têm investido na ampliação dos dispositivos de prevenção.

Os levantamentos com GPR permitem o estabelecimento de perímetros de segurança do subsolo, bem como elementos que possam ser considerados como facilitadores a um acesso indevido.

O uso do sensor com GEORADAR (GPR – Ground Penetrating Radar) têm apresentado importantes resultados em várias aplicações com objetivo de coletar informações, realizar análises e identificar os elementos contidos no subsolo. As principais características do método são:

Os dados são levantados em campo e armazenados em unidades do equipamento. Em programas especiais, esses dados são processados e transformados em perfis do subsolo. Os perfis possuem características geológicas específicas que são interpretadas por geólogos e geofísicos, identificando os elementos contidos ao longo do perfil.

Nossos equipamentos permitem identificar elementos no subsolo a uma profundidade de até 15m com uma precisão de identificação de até 0,50m, dependendo das características geológicas da área mapeada. Em função dessas características e do objetivo do levantamento, o geólogo define as antenas adequadas para os melhores resultados.

A aplicação do método na área de segurança vem estabelecendo um perímetro de controle subterrâneo, interno e externo às instituições, garantindo a não existência de intervenções humanas (túneis), bem como outros elementos construtivos (galerias de água e esgoto, tubulações de energia e telecomunicações), que possam servir como acesso para a prática criminosa.