A Proteção Catódica (Cathodic Protection) é um processo de proteção elétrica que faz uso de uma corrente induzida em dutos de aço enterrados para complementar a proteção anti-corrosão do revestimento já existente.

Se a camada de proteção está danificada ou se há um contato elétrico entre o duto e uma estrutura de metal, é necessário aumentar a Proteção Catódica para compensar as perdas resultantes.

Um excesso de corrente pode ser prejudicial ao tubo. A integridade do duto depende de um equilíbrio entre a proteção efetiva e consumo de corrente aceitável.

Se a corrente injetada fica excessiva ou a Proteção Catódica ineficaz, o duto deve ser inspecionado para encontrar as falhas principais.

O Mapeador de Corrente em Dutos (PCM – Pipeline Current Mapper) foi projetado para a indústria de dutos para solução de problemas associados com métodos tradicionais de inspeção de dutos permitindo avaliar e mapear as perdas de corrente na Proteção Catódica. Além disso, o sistema permite avaliar a posição e profundidade do duto.

Operação

Um sinal com uma frequência baixa (4 Hz) é usada para simular o máximo possível a corrente contínua (DC) gerada pela Proteção Catódica.

Esta frequência baixa também impede que as perdas sejam causadas por capacitância e sim evidenciadas para falhas no revestimento ou contato com outras estruturas.

Transmissor

O transmissor de sinal de baixa frequência tem um alcance de 20 a 30 km e é instalado em estações retificadoras ao longo do duto usando a alimentação (energia) da mesma. Isto permite que o transmissor opere com potência máxima e por períodos prolongados.

Receptor

A unidade de recepção primeiramente localiza o duto e então permite que o operador faça a medida de intensidade e direção do sinal aplicado ao duto pelo transmissor do sistema.

O receptor processa os dados e exibe os resultados ao pressionar de uma tecla. As medidas podem ser armazenadas para futuras análises.

Sem armazenamento dos dados, o operador tem um método rápido para identificar problemas na Proteção Catódica definindo áreas de contatos metálicos e defeitos no revestimento.

Os localizadores de tubo convencionais não detectam uma frequência tão baixa. Assim, o receptor do sistema contém um magnetômetro de alta precisão que detecta o campo magnético criado pelo sistema transmissor.

O sinal recebido pelo receptor é filtrado e ampliado para registro das medidas de intensidade e direção do campo magnético (ou corrente).

O resultado de cada medição é armazenado na memória do receptor de forma a permitir uma correlação de perda no sinal com a distância até o transmissor.

Compatibilidade com GPS

Os dados coletados pelo PCM (intensidade de corrente, profundidade) podem ser incorporados automaticamente ao coletor de um GPS de forma que a informação posicional seja registrada de maneira conjunta à leitura do PCM culminando no uso mais eficiente de pessoal.

Assim, as falhas espacialmente identificadas, a profundidade do duto em determinada região e outras informações, são exportadas para um Sistema de Informação Geográfica (SIG) para geração dos mais diversos mapas de gerenciamento de duto.

Com o PCM, a ESTEIO está tecnicamente capacitada para oferecer :

Artigos Relacionados