A ESTEIO tem prestado serviços a um grande número de instituições públicas das esferas federal, estaduais e municipais e a empresas privadas, no setor linhas de transmissão, tendo como principais clientes:

  • ALTA ENERGIA
  • ABENGOA
  • CEB – COMPANHIA ENERGÉTICA DE BRASÍLIA
  • CELG – CENTRAIS ELÉTRICAS DE GOIÁS S.A.
  • CEMIG – COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS
  • COELBA – COMPANHIA DE ELETRICIDADE DA BAHIA
  • COMPANHIA VALE DO RIO DOCE
  • CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT S.A.
  • COPEL – COMPANHIA PARANAENSE DE ENERGIA
  • CPFL – COMPANHIA PAULISTA DE FORÇA E LUZ
  • ELETRONORTE – CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A.
  • ELETROSUL – CENTRAIS ELÉTRICAS DO SUL DO BRASIL S.A.
  • FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A.
  • GERASUL – CENTRAIS GERADORAS DO SUL DO BRASIL S.A.
  • LEME ENGENHARIA LTDA.
  • LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S.A.
  • MENDES JUNIOR TRADING E ENGENHARIA S.A.
  • PROENGE – PROJETOS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA LTDA.
  • VALE S.A.

Os serviços vão desde o mapeamento puro e simples de faixas para implantação de linhas de transmissão, visando a obtenção de nuvem de pontos dos principais obstáculos de uma área de interesse, até serviços mais completos como os relacionados baixo:

A metodologia de trabalho consiste basicamente em:

O Perfilamento a LASER é uma tecnologia de levantamento executado através de um escaner a LASER instalado em uma aeronave, o qual permite o levantamento de uma malha muito densa de pontos no terreno. Esta metodologia permite um levantamento altimétrico mais preciso e rápido da área. A partir desses pontos é possível a geração diversos produtos, tais como:

A legislação brasileira determina um padrão único de entrega de arquivos visando obtenção de licenças, mesmo assim, o método de trabalho que envolve os projetos de implantação de Linhas de Transmissão pode ser diferente entre as concessionárias de energia e nesse sentido a ESTEIO dispõe de equipe técnica capacitada capaz de dar suporte às necessidades e particularidades de cada uma.

Uma das grandes vantagens do perfilamento a LASER para projetos de implantação de linhas de transmissão é sem dúvida a rapidez na obtenção dos resultados do MDT e MDS. Mas existem outros que devem ser considerados, como por exemplo, projetos desenvolvidos em região Amazônica, a qual apresenta diversas peculiaridades que diferem bastante em relação a outras regiões do Brasil, como condições meteorológicas, acessos, áreas de inundação, a interferência da mata nos dados LASER e outros.

Trabalhamos para evitar ou reduzir a um mínimo as quebras de rendimento das equipes, decorrentes de indefinições quanto à forma de execução ou à ocorrência de situações adversas imprevistas por falta de um estudo prévio do problema.

A participação do cliente na fase de planejamento é de substancial importância, pois é nela que são elaboradas com detalhes todas as rotinas de trabalho técnico e administrativo, sempre com base em nossas performances em trabalhos anteriores e de acordo com os métodos de trabalho e procedimentos solicitados pelo contratante.
Com o uso do perfilamento a LASER em faixas de Linhas de Transmissão já implantadas é possível realizar monitoramentos de alta precisão, como por exemplo, a definição de altura Cabo – Solo, Identificação de locais onde a vegetação está próxima dos cabos, interferências com cruzamentos de linhas elétricas de distribuição (BT), edificações, etc.

Além do perfilamento a LASER para projetos de implantação e mapeamento de Linhas de Transmissão existentes, oferecemos também serviços de mapeamento aerofotogramétrico para geração de ortofotocartas digitais, restituição fotogramétrica e cadastramento de imóveis.
Os mapeamentos fotogramétricos permitem identificar e determinar elementos importantes para o projeto de implantação de uma LT, sendo:

a) Aeródromos;
b) Áreas que requeiram desmatamento excessivo;
c) Reservas florestais;
d) Áreas povoadas, loteadas ou edificadas;
e) Terrenos inacessíveis;
f) Terrenos geologicamente instáveis;
g) Travessias com linhas de transmissão e comunicações;
h) Travessias sobre rios, canais ou reservatórios;
i) Obras de interesse social (cemitérios, escolas, hospitais, igrejas, etc.);
j) Terrenos pantanosos ou que requeiram fundação especial;
k) Reservas indígenas, unidades de conservação ambiental e sítios arqueológicos;
l) Cruzamentos de estradas de ferro e de rodagem;
m) Cruzamentos e aproximação com oleodutos, gasodutos e adutoras;
n) Picos e regiões muito elevadas.